Frete gratis baf777518b75dc79825980eb04a902c7a0823255ca3d862619d9cb25d1c8c1ff
Oferta limitada para pedidos acima de R$ 250,00
Válido apenas para capitais. Veja Mais
Obesidade: um problema de dois compartimentos
Conheça as diferentes respostas fisiológicas do corpo associadas ao armazenamento de energia e compreenda porque o metódo de contagem de calorias não funciona.
Obesidade: um problema de dois compartimentos

Um dos maiores erros cometidos pela hipótese calories in-calories out (CICO) é a presunção de que a energia é armazenada no corpo como um único compartimento.

Esse método considera que todos os alimentos podem ser reduzidos ao seu equivalente calórico e, em seguida, armazenados em um único compartimento do corpo (calories in). O corpo então usa essa energia para o metabolismo basal e exercício (calories out). No entanto, este modelo não é real. A energia dos alimentos não é armazenada em um único compartimento, mas em dois compartimentos (glicogênio e gordura corporal).

De acordo com o modelo incorreto de um compartimento, simplesmente reduzir as calorias que entram, ou aumentar a quantidade que sai, reduziria a quantidade de energia corporal armazenada como gordura. A estratégia Eat Less, Move More (coma menos, movimente-se mais) tem uma taxa de sucesso conhecida de cerca de 1% ou uma taxa de falha de aproximadamente 99%. Todos nós já tentamos isso, e certamente não funciona tão bem. Se funcionasse eu não estaria escrevendo sobre isso agora.

Para entender melhor como a energia é armazenada no corpo, é mais coerente usar um modelo de dois compartimentos. Nosso corpo é capaz de extrair energia de três fontes - glicose (carboidratos), gordura ou proteína. No entanto, a proteína não pode ser armazenada como energia, a menos que seja consumida em quantidade excessiva, sendo assim transformada em glicose.

Glicose ou gordura?

Como a proteína não é utilizada como fonte primária de energia, isso deixa duas fontes potenciais de combustível de armazenamento - glicose e gordura. A glicose é armazenada no fígado como glicogênio - uma molécula composta de longas cadeias de açúcares. O glicogênio, então, é a forma do corpo armazenar cadeias de glicose.

Este glicogênio é facilmente acessível ao corpo. O corpo é capaz de armazená-lo facilmente e também é capaz de convertê-lo de volta à glicose para obter energia. No entanto, apenas uma quantidade limitada de glicogênio pode ser armazenada. Depois que esse limiar é atingido, o corpo deve armazenar gordura.

Já a gordura corporal é muito mais difícil de acessar, mas você pode armazenar quantidades ilimitadas, em contraste com o glicogênio, como dito anteriormente.

Portanto, nosso corpo tem dois compartimentos de armazenamento de energia alimentar diferentes para duas finalidades diferentes. Temos glicose/ glicogênio, que é fácil de converter em energia, mas com armazenamento limitado. E também temos gordura corporal que é mais difícil de converter em energia, mas com armazenamento ilimitado. Dois sistemas complementares para dois propósitos diferentes.

Enquanto você come, o corpo armazena energia como gordura ou glicose. Como você não come (jejum), o corpo queima a energia armazenada, seja gordura ou glicose. Mas não é preciso uma quantidade igual de ambos os compartimentos como previsto pelo modelo fictício de um compartimento. O glicogênio é queimado quase exclusivamente até terminar - isso pode durar de 24 a 48 horas em puro jejum.

Obesidade: um problema de dois compartimentos-1

Isso é lógico, pois é muito mais fácil para o corpo acessar o glicogênio – lembrou disso?

Somente depois que quase todo o glicogênio já estiver queimado para gerar energia, o corpo queima suas reservas de gordura. É preciso mais esforço, entende? E assim, você nunca queimará quantidades iguais de glicose e gordura. Se você queima 200 calorias de energia para caminhar, por exemplo, você tira isso exclusivamente do glicogênio com nenhuma gordura sendo queimada.

Os dois compartimentos de energia são queimados sequencialmente. Em essência, o corpo pode queimar açúcar ou gordura, mas não ambos simultaneamente. Isto é controlado parcialmente pela insulina, e também diretamente pelo ciclo de Randle. - descrito em 1963. Isso também é chamado de ciclo glicose-ácido graxo.[1]

Nas preparações isoladas de células musculares cardíacas e esqueléticas, Randle e seus colegas foram capazes de mostrar que as células que estavam usando glicose para energia eram inibidas de usar gordura e vice-versa, sem qualquer interferência da insulina ou outros hormônios. Esse mecanismo bioquímico “proíbe” diretamente o corpo de usar os dois combustíveis ao mesmo tempo.

Por que o método de contagem de calorias não funciona?

Porque é baseado na ideia incorreta de que todas as calorias são iguais. Quando você armazena energia alimentar (calorias), ela é armazenada como açúcar (glicogênio) e gordura. Mas você deve queimar primeiro o açúcar antes de começar a queimar gordura.

Então, se você quer perder gordura corporal a primeira coisa que você precisa fazer é limpar o açúcar. Se você continuar colocando no seu corpo quantidades elevadas de açúcar, você nunca começará a queimar a gordura. O método CICO ignora o problema dos dois compartimentos e finge que todas as calorias são armazenadas igualmente e queimadas igualmente (compartimento único). Isso equivale à dieta padrão restrita em calorias de 3-6 refeições por dia com um conteúdo relativamente alto de carboidrato (50-60%).

Obesidade: um problema de dois compartimentos-1

A Insulina neste processo

É bem sabido que a insulina inibe a lipólise- maneira elegante de dizer que a insulina impede a queima de gordura. A insulina sobe quando você come, então ela diz ao corpo para começar a usar a energia de entrada de alimentos e parar de usar a gordura armazenada.

Portanto, se sua insulina é alta devido à resistência à insulina, seu corpo não é capaz de obter a gordura armazenada como fonte de energia. Então, mesmo que você reduza as calorias ingeridas comendo menos, seu corpo ainda terá dificuldade de queimar gordura. Por isso, compensa reduzindo o gasto calórico e o metabolismo basal cai.

Se você tem 8 anos, sua resistência à insulina é mínima e a insulina em jejum é baixa. Isso significa que é muito fácil acessar a gordura. Moleza. Então, se você simplesmente reduzir as calorias, seu corpo pode compensar facilmente, obtendo alguma gordura como fonte de energia.

Isso explica a dependência do tempo da obesidade. Ou seja, aqueles que têm sido obesos há muito tempo têm muito mais dificuldade em perder peso. Porque a resistência à insulina é alta, causando níveis elevados de insulina o tempo todo, que funciona como um verdadeiro inibidor da queima de gordura.

Qual é a solução?

Primeiro você pode seguir uma dieta com baixo teor de carboidratos e mais gorduras boas. Ao restringir severamente a quantidade de carboidratos, mantemos baixos os níveis de açúcar/glicose e, consequentemente, os níveis de insulina circulante. Agora, qualquer energia que precise ser queimada irá utilizar as gorduras armazenadas. Isso basicamente transforma o problema dos dois compartimentos em um problema de compartimento único.

Em segundo lugar, você pode tentar o jejum intermitente. O jejum queima essencialmente todos os açúcares armazenados em formato de glicogênio rapidamente. Seu corpo é forçado a queimar gordura para obter energia. O metabolismo não diminui devido às mudanças hormonais compensatórias do jejum.

O jejum fornece uma maneira muito rápida de começar a queimar gordura. Ele fornece uma solução para o problema de dois compartimentos. A razão pela qual os especialistas em contagem de calorias nunca entendem por que seu modelo não funciona é porque eles entenderam o problema como um único compartimento.

 

Referência:

  1. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2739696/

 

  • Data.
    O Guia Definitivo da Dieta Cetogênica
             

    A dieta cetogênica é uma dieta muito baixa em carboidratos, que transforma o corpo em uma máquina de queima de gordura. Ela apresenta dive [...]

    154
  • Data......
    Efeitos agudos e crônicos do exercício físico

    Durante o exercício estamos gerando um estresse fisiológico para o nosso organismo. Este, para reparar os “danos” causados pelo exercício, estimula ou suprime diversas substâncias [...]

    127